Monitorização contínua de modelos

O objetivo da monitorização contínua de modelos (em inglês “ongoing model monitoring” ou “OMM”) é verificar se uma instituição de crédito cumpre, numa base permanente, as exigências regulamentares no tocante aos modelos internos que utiliza para calcular os requisitos de fundos próprios.

A autoridade competente avalia, numa base permanente, se a instituição de crédito utiliza técnicas de modelo interno corretamente desenvolvidas e atualizadas.

As atividades normais de monitorização contínua de modelos incluem

  • uma avaliação do cumprimento por uma instituição de crédito das medidas prudenciais impostas através de decisões do BCE, assim como da observância pela mesma dos planos de execução e de quaisquer outras medidas de supervisão relacionadas com o modelo que lhe tenham sido impostas
  • a análise dos resultados das validações pelas instituições de crédito dos modelos internos utilizados para o risco de crédito e o risco operacional, dos resultados das verificações a posteriori e das séries temporais dos modelos internos utilizados para o risco de mercado
  • uma avaliação dos resultados do processo anual de análise comparativa conduzido pela Autoridade Bancária Europeia (European Banking Authority – EBA) no que respeita aos modelos internos utilizados para o risco de mercado e o risco de crédito
  • uma avaliação das alterações e extensões não relevantes de modelos

A monitorização contínua de modelos é realizada principalmente pelas equipas conjuntas de supervisão (ECS). Em geral, as instruções e os formulários (por exemplo, para os resultados das verificações a posteriori e as séries temporais dos modelos utilizados para o risco de mercado) são fornecidos pelas ECS às instituições de crédito, ou prescritos por normas técnicas de execução da EBA (por exemplo, para os exercícios de análise comparativa dos modelos internos utilizados para os riscos de crédito e de mercado). A secção seguinte contém mais informação sobre o reporte relacionado com a validação de modelos.

Reporte relacionado com a validação de modelos internos

A validação interna desempenha um papel fundamental na avaliação da fiabilidade e exatidão dos modelos internos utilizados pelas instituições significativas. Constitui também uma fonte de informação importante para a avaliação pelo BCE do cumprimento dos requisitos regulamentares aplicáveis a modelos internos.

Com vista a assegurar condições de igualdade, o BCE exige agora às instituições significativas que apresentem dados específicos sobre a validação dos modelos internos utilizados no cálculo dos requisitos de fundos próprios para o risco de crédito e o risco operacional. Esta recolha de dados não substitui os processos internos de validação das instituições, mas estabelece um conjunto mínimo comum de métricas a comunicar ao BCE numa base anual, juntamente com os relatórios de validação interna das instituições.

Risco de crédito

O BCE exige que as instituições significativas autorizadas a utilizar o método das notações internas (internal rating-based – IRB) no cálculo dos requisitos de fundos próprios para o risco de crédito forneçam informação sobre os modelos de cálculo da probabilidade de incumprimento (probability of default – PD), perda dado o incumprimento (loss given default – LGD) e fatores de conversão do crédito (credit conversion factors – CCF), bem como sobre o método de afetação aplicado às posições em risco sobre empréstimos especializados. Este reporte de informação envolve medidas e testes estatísticos, semelhantes aos normalmente utilizados por essas instituições, que serão aplicados num conjunto padronizado de amostras de validação.

Risco operacional

O BCE exige que as instituições significativas autorizadas a utilizar o método de medição avançada (advanced measurement approach – AMA) no cálculo dos requisitos de fundos próprios para o risco operacional forneçam informação sobre a conceção e o desempenho do modelo. A informação a reportar inclui os valores relativos aos fundos próprios e os resultados dos testes estatísticos das entradas e saídas de dados do modelo e dos pressupostos de modelização. Além disso, as instituições têm de reportar igualmente os dados relativos a perdas e os dados de entrada necessários para o cálculo de acordo com o futuro método-padrão, tal como proposto pelo Comité de Basileia de Supervisão Bancária.

Documentos relacionados

Todos os documentos relacionados são disponibilizados abaixo, assim como os formulários correspondentes que as instituições significativas têm de preencher e enviar ao BCE.

Instruções e formulários de reporte para o risco de crédito (não disponíveis em português)

Instruções e formulários de reporte para o risco operacional (não disponíveis em português)