Análise dos riscos

Todos os anos, a Supervisão Bancária do BCE – em estreita colaboração com as autoridades de supervisão nacionais – identifica e avalia os riscos enfrentados pelas instituições de crédito da área do euro. O resultado deste exercício serve de base para a definição das prioridades prudenciais e determina os domínios de incidência da monitorização e análise regulares dos riscos a que estão expostas as instituições de crédito supervisionadas.

Análise dos riscos em 2020

Mapa dos riscos no âmbito do MUS

Os resultados mais importantes do exercício de análise dos riscos são apresentados no mapa de riscos no âmbito do Mecanismo Único de Supervisão (MUS). O mapa indica os principais fatores de risco que se espera que afetem as instituições de crédito supervisionadas nos próximos dois a três anos.

Mapa dos riscos no âmbito do MUS em 2020

Fontes: BCE e autoridades de supervisão nacionais.
*O risco de execução associado às estratégias em termos de créditos não produtivos (non-performing loans – NPL) das instituições de crédito refere-se apenas a entidades com níveis elevados de NPL.
**Os riscos relacionados com as alterações climáticas têm maior relevância num horizonte a mais longo prazo (ou seja, superior a 3 anos).

O mapa dos riscos no âmbito do MUS apresenta uma imagem agregada da área do euro e destaca apenas os fatores de risco mais importantes não devendo, portanto, ser visto como uma lista exaustiva de todos os riscos enfrentados pelas instituições de crédito supervisionadas. Os fatores de risco não devem ser considerados de forma isolada, uma vez que, potencialmente, podem desencadear-se ou reforçar-se uns aos outros.

Principais fatores de risco

A estes seguem-se o risco de execução associado às estratégias em termos de créditos não produtivos das instituições de crédito; a redução da restritividade dos critérios de concessão de empréstimos; a reavaliação do preço do risco nos mercados financeiros; a má conduta, o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo; o Brexit; as perspetivas mundiais e as incertezas geopolíticas; a reação a regulamentação e os riscos relacionados com as alterações climáticas.

Informação sobre anteriores exercícios de avaliação do risco: