Testes de esforço

A supervisão bancária europeia recorre a testes de esforços, a fim de avaliar a capacidade das instituições de crédito para lidar com choques económicos e financeiros. Os resultados dos testes de esforço permitem às autoridades de supervisão identificar as vulnerabilidades das instituições de crédito e abordá-las numa fase precoce no âmbito do diálogo em matéria de supervisão com as instituições de crédito.

Tipos de testes de esforço

O BCE conduz diversos tipos de testes de esforço.

  • Testes de esforço anuais
    • Testes de esforço a nível da UE coordenados pela Autoridade Bancária Europeia (European Banking Authority – EBA) e complementados pelos testes de esforço realizados pelo BCE no contexto do processo de análise e avaliação para fins de supervisão (supervisory review and evaluation process – SREP)
    • Testes de esforço temáticos
  • Testes de esforço conduzidos como parte dos exercícios de avaliação completa (um exame abrangente da saúde financeira das instituições de crédito, que consiste num teste de esforço e numa análise da qualidade dos ativos e ajuda a assegurar que as instituições de crédito dispõem de capital suficiente para suportar perdas)
  • Testes de esforço para efeitos macroprudenciais (centrados na estabilidade financeira e nos efeitos sistémicos e não na situação específica das instituições de crédito)

Além dos referidos testes, podem também ser realizados, se necessário, testes de esforço específicos a determinadas instituições de crédito ou grupos de instituições de crédito.

Testes de esforço anuais

A legislação europeia exige que o BCE proceda a testes de esforço das instituições de crédito supervisionadas, pelo menos, uma vez por ano. Os resultados dos testes de esforço anuais proporcionam informação importante para o SREP do ano em causa.

Diretiva em matéria de requisitos de fundos próprios (artigo 100.º)

Testes de esforço a nível da UE coordenados pela EBA e testes de esforço no contexto do SREP

De dois em dois anos, a EBA conduz testes de esforço a nível da UE em cooperação com o BCE, o Comité Europeu do Risco Sistémico (CERS) e as autoridades de supervisão nacionais. A amostra de entidades abrangidas pelo teste corresponde às instituições significativas de maior dimensão supervisionadas diretamente pelo BCE. O exercício baseia-se na metodologia e nos modelos definidos pela EBA, ao passo que os cenários e os principais pressupostos aplicados são desenvolvidos conjuntamente pela EBA, pelo CERS, pelo BCE e pela Comissão Europeia. A EBA publica tanto dados agregados como dados por instituição de crédito.

Nos anos em que a EBA conduz um teste de esforço a nível da UE, compete ao BCE realizar um teste de esforço próprio para as instituições de crédito sob a sua supervisão direta não abrangidas pelo teste da EBA. Esse teste faz parte do ciclo anual do SREP. Baseia-se na metodologia da EBA, com as necessárias adaptações a instituições de crédito de menor dimensão para garantir um tratamento proporcionado. Os resultados são, então, publicados pelo BCE.

Devido às circunstâncias extraordinárias relacionadas com a pandemia de coronavírus (COVID‑19), a EBA decidiu adiar o teste de esforço a nível da UE para 2021. O BCE apoia esta decisão e adiou também para 2021 o seu teste de esforço do ciclo de 2020 do SREP. O objetivo é proporcionar flexibilidade operacional às instituições de crédito e permitir que estas se concentrem na continuidade das suas operações centrais, incluindo a prestação de apoio a clientes.

Testes de esforço temáticos

Nos anos em que a EBA não conduz um teste de esforço a nível da UE, o BCE realiza testes de esforço centrados num tipo específico de choque para as instituições significativas que supervisiona diretamente. Esses testes são realizados em cooperação com as autoridades de supervisão nacionais. O BCE tem publicado os resultados numa base agregada.

Análise de sensibilidade ao risco de liquidez de 2019 – concluída

Em 2019, a Supervisão Bancária do BCE testou a resiliência das instituições de crédito a choques de liquidez idiossincráticos, que foram calibrados com base em episódios de crise recentes.

Os resultados do exercício foram, em geral, positivos: as instituições de crédito reportaram períodos relativamente longos de sobrevivência com recurso à caixa e às garantias disponíveis, que lhes dariam bastante tempo para executar os respetivos planos de financiamento de contingência.

Contudo, várias questões requerem maior atenção: os curtos períodos de sobrevivência com recurso a fluxos de caixa em moeda estrangeira; os potenciais riscos de blindagem de algumas instituições de crédito; as estratégias de otimização dos rácios de cobertura de liquidez; a necessidade de melhoria das práticas de gestão de garantias; e uma subestimação geral do impacto adverso de uma redução da notação de crédito. O exercício revelou ainda alguns problemas de qualidade de dados no reporte regulamentar. Estas constatações ajudarão a melhorar a futura qualidade do reporte prudencial de informação sobre a liquidez.

Os resultados foram tomados em conta na avaliação da adequação da liquidez e da governação do risco das instituições de crédito, mas não afetaram diretamente os requisitos de fundos próprios prudenciais.

Análise de sensibilidade ao risco de taxa de juro da carteira bancária de 2017 – concluída

Testes de esforço conduzidos como parte dos exercícios de avaliação completa

Os testes de esforço são um dos dois pilares da avaliação completa – um exame da saúde financeira, que ajuda a assegurar que as instituições de crédito dispõem de capital suficiente para resistir a possíveis choques financeiros. Procede-se a uma avaliação completa:

  1. quando uma instituição de crédito é classificada como “significativa” e passa a ser supervisionada diretamente pelo BCE
  2. sempre que é estabelecida uma cooperação estreita entre um Estado-Membro da UE não pertencente à área do euro e o BCE
  3. em função das necessidades, quando circunstâncias excecionais exigem tal avaliação

Estes testes de esforço baseiam-se na metodologia da EBA, mas podem ser adaptados às circunstâncias específicas das instituições abrangidas.

Metodologia da EBA: 2020 EU-Wide Stress Test – Methodogial Note

Testes de esforço para efeitos macroprudenciais

O BCE também conduz testes de esforço para fins macroprudenciais e de estabilidade financeira. Estes tendem a centrar‑se nos efeitos sistémicos, em vez de em instituições de crédito específicas, e são realizados do topo para a base (sem o envolvimento das instituições de crédito). Os resultados são publicados periodicamente nos relatórios de estabilidade financeira e boletins macroeconómicos do BCE.

Novembro de 2019
Financial Stability Review – “Evaluating the resilience of the euro area banking sector”
29 de outubro de 2019
Macroprudential Bulletin“The disciplining effect of supervisory scrutiny on banks’ risk-taking: evidence from the EU‑wide stress test”
27 de março de 2019
Macroprudential Bulletin – “A bird’s-eye view of the resilience of the European banking system: results from the new macroprudential stress test framework”

A presente página será atualizada regularmente, com vista a refletir os desenvolvimentos mais recentes relacionados com os exercícios de teste de esforço conduzidos pelo BCE.